Fechar

SIFIDE: O Presente e o Futuro deste incentivo fiscal

Ayming Portugal > Novidades > Artigos de opinião > SIFIDE: O Presente e o Futuro deste incentivo fiscal

O SIFIDE enquanto estímulo à I&D em Portugal

Desde a sua criação, em 1997, que o SIFIDE se assume como um mecanismo fulcral de estímulo à participação do setor empresarial português no esforço global de I&D, atuando em consonância com as diretrizes europeias em vigor. É, portanto, um incentivo fiscal para o presente e futuro das empresas nacionais.

Não obstante as diversas revisões que este mecanismo sofreu ao longo dos anos, é inegável que o mesmo tem contribuído para um incremento efetivo das atividades de I&D (e respetivos custos) por parte das empresas nacionais e, como prova disso, basta analisarmos os dados existentes.

Recuando até ao ano de 2006 (primeiro exercício fiscal para o qual estão disponíveis dados estatísticos), foram aprovadas 419 candidaturas (em 442 apresentadas), as quais totalizaram 232,6M€ de investimento em I&D aprovado e resultaram num incentivo fiscal atribuído de 92M€.

Ora, comparativamente, e no que concerne ao último exercício fiscal (2019) em que existem dados estatísticos definitivos, note-se o aumento substancial do impacto do SIFIDE no espectro empresarial português, com a aprovação de 2.360 candidaturas, totalizando 945,3M€ de investimento em I&D aprovado e resultando num incentivo fiscal atribuído de 535,1M€ (i.e., incremento de 500% face a 2006).

Por outro lado, ressalve-se também a “generosidade” fiscal do SIFIDE quando comparado com os seus congéneres europeus (onde, em países como Espanha, França, Irlanda, Alemanha e Itália, esta “generosidade” destes mecanismos não passa dos 30%) tendo o mesmo, desde 2006, uma taxa média de incentivo fiscal atribuído de 48,4% no que respeita às cerca de 18 mil candidaturas aprovadas, como poderá comprovar no The Benchmark 2023 da Ayming, a ser lançado ainda durante este mês de março.

Obtenha um diagnóstico gratuito ao SIFIDE

As insuficiências operacionais do SIFIDE

Paralelamente ao incremento exponencial do impacto fiscal do SIFIDE em “apenas” 13 exercícios fiscais, saliente-se também que o mesmo contribuiu para o aparecimento de algumas insuficiências na sua operacionalização e respetiva monitorização, as quais continuam a criar obstáculos desnecessários às empresas (e ao Estado) e, de igual modo, denigrem a própria “aura positiva” que emana da génese do SIFIDE, como por exemplo:

  • Prazos muito longos de decisão (superiores a 12 meses, em alguns casos);
  • Pouca clareza e coerência ao nível do processo de avaliação técnica e controlo da execução dos projetos de I&D apresentados;
  • Inconsistência legislativa nas regras de controlo e monitorização de algumas das despesas elegíveis no âmbito do SIFIDE, com particular enfoque no tema dos investimentos em Fundos de I&D;
  • Permissividade fiscal e falta de articulação/sincronismo entre a Autoridade Tributária e Aduaneira e a Agência Nacional de Inovação (entidade reguladora do SIFIDE) no que respeita aos procedimentos a adotar pelas empresas, nomeadamente no processo de reconhecimento do incentivo fiscal associada ao SIFIDE.

Refira-se que a grande maioria destas ineficiências foram mencionadas na auditoria realizada pela Inspeção Geral de Finanças e entregue já este ano no Parlamento, onde foram identificados mais de 5M€ de incentivo fiscal indevidamente atribuído (entre empresas que nem sequer apresentaram candidatura ao SIFIDE e/ou empresas que tiveram a sua candidatura ao SIFIDE reprovada), considerando somente o período 2017-2020.

SIFIDE: Presente e Futuro

O SIFIDE do presente e futuro

Tendo em consideração todo o buzz mediático em torno do SIFIDE presente e futuro (potenciado, ainda mais, pela demissão da presidente da Agência Nacional de Inovação, Joana Mendonça, no início deste ano), foi tornada pública, no final de dezembro de 2022, a intenção do Governo de introduzir alterações relevantes no quadro legislativo do SIFIDE, através da Proposta de Lei n.º 56/XV/1, a qual foi já aprovada em fevereiro, onde se destacam como principais alterações:

  • A majoração das despesas com atividades de I&D associadas a projetos de conceção ecológica de produtos é aumentada de 110% para 120%;
  • O prazo de reporte de despesas que, por insuficiência da coleta de IRC, não tenham sido deduzidas é aumentado de 8 para 12 anos;
  • O prazo de validade do reconhecimento da idoneidade da entidade em matéria de I&D foi aumentado de 8 para 12 anos;
  • As despesas suportadas com a participação no capital de instituições de I&D e contribuições para fundos de investimento SIFIDE deixam de beneficiar da taxa incremental de 50%, para efeitos de dedução à coleta do IRC (e., a dedução à coleta fica limitada à taxa base de 32,5%);

Obtenha um diagnóstico gratuito ao SIFIDE

Complementarmente a estas alterações, e no seguimento das alterações introduzidas pela Lei do Orçamento do Estado para 2021, foi também introduzido um conjunto de requisitos adicionais de acesso ao SIFIDE, destacando-se, por um lado, as regras que visam prevenir situações de duplo incentivo fiscal na esfera da entidade que desenvolve a atividade de I&D e na esfera da entidade investidora (em instituições de I&D ou investimentos em Fundos de I&D) e, por outro lado, as regras que visam garantir a manutenção do investimento realizado.

Perante o exposto, importa destacar que estas alterações não irão acabar com todos os abusos que têm vindo a ser identificados. No entanto, são mais um passo legislativo para que tais abusos sejam celeremente identificados e minimizados, por forma a cimentar o SIFIDE enquanto um mecanismo fiscal bulletproof de apoio ao investimento direto/indireto em I&D para o presente e futuro, no qual as regras se encontram perfeitamente claras e são iguais para todas as empresas que querem aceder ao mesmo.

Caso queira ter uma avaliação adequada do potencial de I&D da sua empresa, com o objetivo de recuperar fiscalmente, por via do SIFIDE, parte do investimento realizado em I&D, entre em contacto connosco para que o possamos apoiar neste processo.

Recordamos que o prazo para apresentação de candidaturas ao SIFIDE termina a 31 de maio.

Agende já a sua reunião

Mostrar comentários

Sem comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *